Qual a diferença entre concreto protendido e armado?

A escolha dos materiais para a sua obra é um fator fundamental para garantir a qualidade do resultado, além da segurança e estabilidade das estruturas. Cada insumo possui características específicas para diferentes situações, e esses detalhes devem ser levados em consideração ainda na fase do desenvolvimento do projeto para que sejam escolhidos os melhores materiais para executar a sua obra.

A escolha do concreto é uma dessas decisões que devem ser tomadas com cautela e planejamento. Sendo um dos materiais mais comumente utilizados no Brasil e no mundo, empregado amplamente como solução estrutural dos projetos, conhecer os tipos de concreto disponíveis e suas principais características é essencial para entender o melhor tipo de concreto para as necessidades do seu projeto.

Neste sentido, os dois tipos de estruturas de concreto mais utilizados nas obras são o concreto protendido e o concreto armado. Vamos falar das suas principais características, as diferenças entre eles e quando indica-se a utilização de cada um. Acompanhe:

Concreto Armado

O concreto é um material resistente, resultado da mistura de quatro matérias-primas: o cimento, a areia, a água e a brita. Embora possa ser utilizado em várias aplicações diferentes, seu emprego estrutural é um dos mais populares. Em outras palavras, o concreto é um dos materiais mais utilizados para executar os elementos de sustentação das obras, como vigas, pilares e lajes.

No entanto, o concreto por si só não é capaz de atender às necessidades estruturais dos projetos modernos. Para que possa ter um melhor desempenho, foi desenvolvido o concreto armado – que consiste na união do concreto e do aço. A incorporação do aço ao concreto complementa as fraquezas dos dois materiais, resultando em um elemento de grande resistência e capaz de estruturar projetos complexos sem dificuldade. O concreto armado pode ser feito no próprio canteiro de obras ou pode ser adquirido pré fabricado ou pré moldado, quando possível.

As barras de aço utilizadas podem variar suas espessuras e serem posicionadas com distanciamentos diferentes, de acordo com o cálculo estrutural, variando de acordo com a necessidade de cada projeto e dos esforços que serão realizados pela estrutura. O concreto armado possui elevada resistência à compressão (aplicação de uma força de compressão a um material, resultando em uma redução em seu volume), em comparação aos outros materiais de construção. Ele também pode suportar uma boa quantidade de esforços de tração (força aplicada por meio de fios, cabos ou cordas, que puxam ou tracionam corpos distantes). Atualmente, 90% das construções no Brasil tem o concreto armado como o material mais utilizado.

Vantagens e desvantagens

O concreto armado revolucionou a indústria de construção pela sua capacidade de gerar estruturas de alta resistência e desempenho. Com este material, é possível criar estruturas com grandes vãos, além de ser um elemento muito versátil: ele pode ser adaptado a diferentes necessidades, e permite que seja moldado livremente, o que proporciona grande liberdade criativa nos projetos.

O seu processo de implementação é simples, sendo de fácil execução e, por isso, não exige mão-de-obra especializada. O concreto também é resistente ao fogo, a intempéries, a choques e vibrações, possuindo baixo custo de manutenção e sendo um dos materiais mais duráveis disponíveis. Além disso, é um material econômico, de ótimo custo-benefício para a construção.

Assim, é muito indicado para quem busca uma estrutura durável, estável e resistente, assim como acessível e econômica.

Concreto Protendido

Apesar das suas várias vantagens, o concreto armado também encontra algumas limitações quanto aos esforços que é capaz de resistir. Para melhorar ainda mais o seu desempenho, foi desenvolvido o concreto protendido – uma variação do concreto armado simples em que o aço sofre um processo de tração durante a concretagem. Esta tração causa o alongamento da estrutura metálica interna, o que resulta em um material com resistência significativamente maior do que o concreto armado simples.

Esta técnica, também conhecida como armadura ativa, permite que todas as seções do concreto trabalhem, gerando economia de materiais e possibilitando a construção de estruturas com vãos grandes, capazes de suportar altas cargas. Quanto à execução do concreto protendido, existem duas alternativas: a pré-tensão e a pós-tensão.

Para que o concreto protendido seja pré-tensionado, é necessário ter uma pista de fundição específica para o processo. Por isso, o pré-tensionamento é utilizado normalmente para peças de concreto pré-fabricadas, que chegam prontas ao canteiro de obras.

No entanto, o concreto protendido também pode ser fabricado no próprio canteiro de obras. No processo de pós-tensionamento, a estrutura é moldada in loco, com a tensão sendo aplicada com o concreto já endurecido. Apesar disso, devido à complexidade do processo de alongamento das estruturas metálicas e a compressão da peça, geralmente são adquiridos pré fabricados.

Vantagens e desvantagens

O alongamento do aço e consequente aumento de desempenho do material permite a redução das dimensões da peça final. Assim, a estrutura se torna mais leve e mais resistente, diminuindo o carregamento da fundação da edificação. Da mesma forma, a protensão proporciona a economia de concreto e aço, sendo utilizados materiais de maior resistência para a sua execução.

Com maior resistência à cargas e pressões, o concreto protendido consegue vencer vãos que o concreto normal não conseguiria. A maior distância entre os pilares oferece maior liberdade no projeto arquitetônico, possibilitando plantas livres e fachadas diferenciadas, além de diminuir ou até mesmo impedir o aparecimento de fissuras e rachaduras. O processo de tração auxilia também a evitar possíveis fissuras ou deslocamentos na estrutura, tornando as construções mais seguras e evitando deterioração frequentes.

Por outro lado, o custo do concreto protendido é mais alto que o do concreto armado, devido aos processos de execução, do custo dos materiais de alta resistência utilizados e da necessidade de mão-de-obra especializada. Por apresentar um valor de mercado mais alto, não é utilizado em projetos e construções mais simples, visto que geralmente não existe a necessidade pois o concreto armado simples já é capaz de atender a maior parte das demandas mais comuns.

A escolha do material certo para a sua obra pode ser um grande diferencial para entregar um resultado final de qualidade e confiança. O uso de cada material deve ser analisado e projetado para atender necessidades específicas, buscando sempre evitar custos desnecessários, atrasos de cronograma e, acima de tudo, ampliar ao máximo a segurança da obra, de todos envolvidos na execução e dos clientes.

Gostou da nossa matéria? Então clique aqui e conheça um pouco mais sobre qual tijolo você deve escolher para a sua obra!

Deixe um Comentário